Serenita – Uma historia de amor

Serenita – Uma história de amor. Ana Mafalda Damião, escritora brasileña. Serenita, uma sereia dos mares do Norte, estava sentada na meia-lua, entrançando algas e conchas para uma coroa. Duas grossas lágrimas brilhavam no seu rosto. – Porque choras, minha amiga? Que maus pensamentos tens na tua cabecinha? – perguntou a Baleia docemente. Serenita não […]

Resulta interesante también:

sacrificio de amor
Sacrifico de amor
la mesa junto a la ventana
La mesa junto a la ventana

Serenita – Uma história de amor. Ana Mafalda Damião, escritora brasileña.

Serenita, uma sereia dos mares do Norte, estava sentada na meia-lua, entrançando algas e conchas para uma coroa. Duas grossas lágrimas brilhavam no seu rosto.

- Porque choras, minha amiga? Que maus pensamentos tens na tua cabecinha? – perguntou a Baleia docemente.

Serenita não respondeu. O seu olhar perdia-se no horizonte, para lá das ondas, para lá do mar.

- O que é que ela tem? – questionou o Cavalo Marinho intrigado.

- Se calhar tem o coraçãozinho apertado. – opinou a Lula.

- Diz-nos Serenita, – pediu o Golfinho

– porque choras tu? Serenita olhou à sua volta.

Tantos amigos que ali estavam!

- Amanhã é o Dia dos Namorados e eu estou muito triste, porque queria oferecer uma concha e o meu amor está muito longe. – respondeu ela soluçando.

- Serenita – disse a Carpa muito séria

– o amor não tem distância, está para lá do espaço.

- Mas eu queria muito dar-lhe uma prenda. – suspirou Serenita.

 

Serenita   Uma historia de amor

- Eu nado muito depressa. – disse o Golfinho.

- Se quiseres sentas-te nas minhas costas e eu levo-te até lá. – ofereceu-se ele.

- Não pode ser. – lamentou-se Serenita –

ele está muito, muito longe, para lá do mar, fala outra língua e pertence a outra espécie.

- A outra espécie e fala outra língua!

– surpreendeu-se o Polvo. Que espécie?!

- Bem… ele é… ele é… um Centauro – respondeu Serenita.

- Um Centauro?! Com tantos tritões por aqui e tu vais apaixonar-te por um Centauro?! – espantou-se a Tartaruga.

- O amor não escolhe espécies. – disse a Carpa.

- E fala apenas uma língua. – acrescentou a Medusa.

- Conta-nos lá Serenita, onde foste tu conhecer um Centauro. – continuou o Polvo.

- Foi na Marcha pela Paz. Aqui no mar, nós nadavámos e ,na terra, ao mesmo tempo, muitas espécies marchavam pela Paz no mundo.

Eu quis espreitar para ver como era e o meu olhar cruzou-se com o daquele centauro lindo e apaixonei-me. – respondeu ela, a chorar de novo.

Se calhar nunca mais o volto a ver! Ele precisa da terra para viver e eu preciso do mar. Os animais ficaram em silêncio. Como poderiam eles ajudar Serenita? Como podia ela oferecer uma concha ao Centauro, que tão longe estava? O Albatroz, que até ao momento tinha estado calado, propôs:

- Eu posso voar muito rápido, até ao país dos centauros, e levar-lhe a tua concha Serenita. Assim, ele saberá que estás com ele.

- Olha Serenita, – disse a Baleia – podias mandar-lhe também um recado pelo Albatroz, a combinar o dia em que se podem ver.

- E que dia seria esse? – questionou Serenita. E de que serve um dia num ano tão grande, tão grande?! – Serenita, escuta-me, – pediu a Carpa.

O amor não tem dias, porque está para além do tempo. Se, num dia do ano, puderes ver o Centauro, saberás que ele existe e é único para ti e ele saberá que tu existes e és única para ele. Serenita ficou pensativa. Os amigos olhavam para ela à espera de uma decisão.

- Albatroz… por favor, diz ao Centauro que o visitarei todos os anos, no dia 333. Os amigos suspiraram de alívio. Que bom que Serenita aquietava o seu coração!

-Em todos os outros dias do ano, – acrescentou Serenita – eu viverei o amor à mesma, porque o amor tem muitas formas, muitos tamanhos, muitas cores… e eu poderei levar conchas a muitos, muitos corações.

 

Serenita   Uma historia de amor

Fin


Serenita - Uma historia de amor

EnCuentos está constituido por un grupo de profesionales y autores independientes que mediante su valioso aporte ayudan a recopilar, en un sólo lugar, literatura y material de todas las épocas, para padres -que en algún momento fueron niños- e hijos que, mediante la lectura, se convertirán en algún momento en mejores padres.

¿Qué se dice de EnCuentos.com?


Testimonio de Gladys Gutirrez Fernndez

Gladys Gutiérrez Fernández - "La oportunidad de poder escribir en Encuentos ha sido para mí muy valiosa, ya que nunca antes había publicado textos de manera virtual..."Ver Más

Alicia Santi de Casati

Alicia Santi de Casati - "Mi experiencia con las letras no es de hace mucho, soy relativamente joven en estas cuestiones, pero el ser profesora me posibilito escribir siempre sobre diferentes temas aunque casi nunca le había dado la importancia al punto de que sea conocida por los demás..."Ver Más

Testimonio de Julio Casati

Julio Casati - "Hace ya un tiempo deambulaba por internet en busca de algún sitio en donde poder alojar todo lo que había escrito hasta ese momento, generalmente poesías y algún que otro relato aunque esto último no es mi fuerte. El llegar a conocer ENCUENTOS.COM fue algo mágico..."Ver Más

Testimonio de María Teresa Di Dio

María Teresa Di Dio - "EnCuentos.com significa mucho a la hora de escribir para los más pequeños. Feliz de pertenecer a este lugar que me ha ayudado a emprender el camino y publicar antologías en papel de cuentos infantiles..."Ver Más

Comentarios

comentarios

Leer entrada anterior
aforismos
¿Qué es un aforismo?

Pregunta de la semana: ¿Qué es un aforismo? Aforismo (del griego αφοριζειν, definir) es una declaración o sentencia concisa, acordada...

Cerrar