Ovelharoco

Ovelharoco. Ana Mafalda Damião, escritora brasileña. Cuento en portugués sobre aprender a convivir y vivir en paz. Ovelharoco, o reino das ovelhas, é um lugar muito grande e bonito. Por todo o lado se encontram extensos campos que, no Inverno, são verdes e, na Primavera, se vestem das cores do arco-íris. Aqui, não faltam pastagens […]

Resulta interesante también:

Ovelharoco
El vuelo de la Paz – Día Internacional de la Paz
Ema

Ovelharoco. Ana Mafalda Damião, escritora brasileña. Cuento en portugués sobre aprender a convivir y vivir en paz.

Ovelharoco, o reino das ovelhas, é um lugar muito grande e bonito. Por todo o lado se encontram extensos campos que, no Inverno, são verdes e, na Primavera, se vestem das cores do arco-íris. Aqui, não faltam pastagens e grutas nas rochas, que servem para abrigar os habitantes nas noites frias.

Já ninguém se lembra de onde veio, ou como chegou, o rebanho azul ao Ovelharoco, mas todos sabem, porque está escrito no Livro do Reino, que o rebanho amarelo chegou há 300 séculos. No Livro do Reino também está escrito que, quando o rebanho amarelo chegou, foi muito bem recebido.

É que, no princípio dos tempos, o Ovelharoco tinha muito poucas ovelhas e carneiros. Por isso, o rebanho azul ficou muito contente quando o rebanho amarelo chegou e se instalou. O problema é que, passado pouco tempo, percebeu-se que o rebanho amarelo era muito diferente do rebanho azul: não gostava de estar sempre no mesmo lugar, não usava as mesmas grutas mais do que uma estação e, ainda por cima, quando tinham bebés eram logo 7 ou 8 de uma vez.

E tanto o rebanho amarelo andou pelo Ovelharoco, tantos bebés nasceram, que um dia, o Carneiro Chefe azul, olhou à sua volta e só viu amarelo. Amarelo, da cor do Sol quando nasce, da cor do trigo quando está pronto para colher, da cor do milho que os cordeiros tanto gostam. Perante esta visão, o Carneiro Chefe Azul arregalou os olhos e carneirou:

- Mau, mau, se não temos cuidado, qualquer dia este rebanho amarelo andante fica-nos com a terra e depois não há pastos para nós.

- Eles não param de nascer – queixou-se uma ovelha azul. Não pensam no futuro, é só ter filhos, filhos, filhos.

- E ainda por cima, andam só de um lado para o outro. Não têm casa, não tomam banho, não vão às reuniões ovelhadas – acrescentou outra ovelha azul, que não gostava nada das amarelas.

- E que vamos fazer? – perguntou o cordeiro azul comilão, que já estava a imaginar que o milho não ia chegar para ele. -

Vamos expulsá-las – respondeu o Carneiro Chefe Azul – vamos expulsá-las e é já.

- Espera lá amigo – pediu o Carneiro Velho. Não te esqueças que os amarelos já cá estão há 300 séculos e que foram muito bem recebidos. Têm tanto direito à terra como nós. Gerou-se um enorme burburinho. Uns concordavam com o Carneiro Chefe Azul, outros, mais tolerantes, pensavam como o Carneiro Velho mas, por maioria, decidiu-se que o rebanho amarelo teria de abandonar Ovelharoco até ao final da semana.

Quando o rebanho amarelo teve conhecimento desta decisão ficou furioso. A Ovelha Chefe Amarela gritava: – Era o que mais faltava! Abandonar a nossa terra! Quem pensam esses azuis que são para nos mandarem embora?! Já cá estamos há 300 séculos, a terra também nos pertence.

No Ovelharoco instalou-se uma guerra. Os exércitos azuis lutavam contra os exércitos amarelos e muitos carneiros, ovelhas e cordeiros, dos dois rebanhos, perdiam a vida neste confronto. Dias depois, o Carneiro Chefe Azul e a Ovelha Chefe Amarela olharam para os seus rebanhos e perceberam que já nem metade da população tinham. O Carneiro Velho exigiu um período de tréguas e uma Assembleia, para se decidir o futuro dos dois rebanhos. Nessa Assembleia, tanto azuis como amarelos perceberam que tinham cometido um grande erro, que afinal Ovelharoco era um lugar muito grande e nele cabiam muitos rebanhos.

Nessa Assembleia, os amarelos e os azuis perceberam que não faz mal serem diferentes, que cada grupo tem os seus hábitos e costumes e que, se o rebanho amarelo quiser continuar a andar de um lado para o outro está no direito dele. Os dois grupos assinaram uma Carta de Paz, onde se comprometeram a respeitarem-se uns aos outros e a nunca mais fazer a guerra. Hoje, no Ovelharoco, azuis e amarelos convivem pacificamente. Pelos campos, da cor do arco-íris, encontramos cordeiros verdes que brincam, contentes, com cordeiros amarelos e azuis.

Fin


Ovelharoco

EnCuentos está constituido por un grupo de profesionales y autores independientes que mediante su valioso aporte ayudan a recopilar, en un sólo lugar, literatura y material de todas las épocas, para padres -que en algún momento fueron niños- e hijos que, mediante la lectura, se convertirán en algún momento en mejores padres.

¿Qué se dice de EnCuentos.com?


Testimonio de Liana Castello

Liana Castello - “Un día conocí EnCuentos.com y algo me dijo que tenía que publicar mis cuentos allí. No me equivoqué. Gracias a esta ventana que es EnCuentos.com mi trabajo empezó a ser conocido...” Ver Más

Testimonio de Elizabeth Segoviano

Elizabeth Segoviano - “EnCuentos.com es una excelente plataforma de lanzamiento para cualquier escritor latinoamericano, por medio de EnCuentos.com mi trabajo literario ha sido traducido a varias idiomas...” Ver Más

Testimonio de Mara Alicia Esain

María Alicia Esain - En mi caso personal, gracias a EnCuentos.com y a sus mágicos hacedores, he logrado publicar en papel “La selva de los leones” en “Cuentos Infantiles 4 de Ediba...” Ver Más

Testimonio de Mnica Esparza

Mónica Esparza - EnCuentos significa mucho para mí, es un sitio donde no sólo puedo compartir mis cuentos sino que me permite ver los comentarios de mis lectores en diferentes países...” Ver Más

Comentarios

comentarios